SALVE NOSSO QUERIDO FREVO PERNAMBUCANO

A efervescência frenética do frevo e suas reais irreverências, abre espaço singular para o silêncio ensurdecedor que as ruas do Recife e ladeiras de Olinda irão viver neste carnaval de 2021. Felinto, Pedro Salgado, Fenelon e outros mais compositores, curvam-se diante dessa situação ímpar ocasionada pela pandemia. Faz-se necessário medidas preventivas, que foram adotadas pelos representantes governamentais, suspendendo com restrições as festividades de momo.

Todavia, o saudoso Capitão Zuzinha, vivo pela sua obra, era um dos “monstros sagrados” do frevo instrumental, assim dito em depoimento pelo músico Mário Mello (1884-1959), na contracapa do LP “Mocambo” 10021, onde afirmou ser Zuzinha o responsável pela transformação da polca-marcha em marcha-frevo no início do século, música que integrou ao repertório daquele disco denominado “Carnaval do Recife antigo“.

Diante dessa importância cultural, o frevo não pode calar. Ficar escondido nas esquinas das ruas e sem marcar o seu passo democrático, sem juntar o povo e fazer suas tesouras elétricas na apoteose do Marco Zero, nas Concórdias e no saudoso bairro de São José, durante o maiúsculo desfile Galo da Madrugada, arrastando mais de 1 milhão de foliões pernambucanos (?).

Não! O frevo do capitão Zuzinha não pode ficar no anonimato, pois durante esses anos tomou formas de ritmos para animar o povo. O frevo necessita respirar no imaginário pelas ladeiras da cidade patrimônio cultural da humanidade, no sobe e desce do Homem da Meia Noite, convidar nas remotamente os bonecos gigantes e desfilar com o folião ao som de Pitombeiras Dos 4 Cantos, Elefantes de Olinda, Vassourinhas, Ceroulas, junto com o Menino da Tarde e a Mulher do Dia.

Diante dessas considerações carnavalescas, o frevo com sua “Bravura e lealdade varonil, pois Jamais pode deixar de cingir-te a fronte”. Pede licença e presta continências a maestria da Batuta de Prata do músico João Cicero de Souza, oficial da PMPE, autor que eternizou a canção da gloriosa Polícia de Pernambuco.

 

 

Tamanho da fonte
Contraste